Alerta de doenças causadas por enchentes: você pode ser contaminado por uma delas!

Alagamentos podem se tornar um meio de contaminação e aumentar o risco de doenças infecciosas, entre elas a leptospirose e a toxoplasmose

É fundamental tentar evitar o contato com as águas das chuvas que ficam acumuladas nas ruas.

Na última terça-feira (12), chuvas intensas atingiram o Espírito Santo e, de acordo com a previsão do tempo, elas podem continuar no fim de semana, entre os dias 15 e 17 de novembro. Municípios como Vila Velha, Vitória e Cariacica já contabilizam prejuízos deixados pela chuva que não cessa. Por isso, especialistas alertam a população para os perigos que enchentes e a água de chuva podem causar à saúde.

De acordo com a infectologista Rubia Miossi, os alagamentos podem se tornar um meio de contaminação e aumentar o risco de doenças infecciosas, entre elas a leptospirose, diarreias, toxoplasmose e hepatite A.

leptospirose é a principal. Através do contato direto com a urina do rato, mobilizada pela água da enchente, que muitas vezes acaba inclusive inundando casas ou calçadas, como é o caso de Raquel Henrique Goulart. Ela mora em frente a um valão que transborda sempre que chove muito, e já passou mal após ter sua casa invadida pela água contaminada.

Rubia Miossi explica que é fundamental tentar evitar o contato com as águas das chuvas que ficam acumuladas nas ruas e que invadem as casas. “O cuidado deve ser redobrado com as crianças. O ideal é que elas não fiquem expostas às enchentes”.

Foto: Divulgação

Riscos 

Para o infectologista Bernardo Almeida, o risco de transmissão da leptospirose é maior nos bairros ou áreas onde há circulação de ratos, como próximos de lixo, entulhos ou terrenos baldios. Além disso, Almeida destaca que outro grupo de doenças aumenta em incidência nesse contexto: enfermidades transmitidas por mosquitos como a denguezikachikungunya e febre Amarela.

Alerta criadouros 

Em relação às doenças transmitidas pelos mosquitos, o infectologista comenta que o principal cuidado é impedir a procriação do transmissor, evitando água parada. “Para isso, deve-se atentar para utensílios em casa ou em terrenos próximos que costumam ser focos de procriação, como pneus, vasos, potes e piscinas abandonadas. As caixas d’água devem ser mantidas devidamente tampadas. Além disso, repelentes e telas nas janelas são medidas fundamentais”.

Foto: Divulgação

Mas o que fazer em caso de contato inevitável com as enchentes? 

Almeida recomenda que, caso as pessoas entrem em contato com água de chuva dos alagamentos, o ideal é lavar a área com água e sabão abundante, principalmente se houver cortes ou feridas. “Claro que nem todas as pessoas que tiverem exposição irão desenvolver doença, mas deve-se manter em alerta por até 30 dias, que é o período máximo entre o contato e o desenvolvimento de sintomas da leptospirose por exemplo”, completou Bernardo Almeida.

Outras medidas a serem adotadas é lavar todos os objetos que entraram em contato com água suja e lama, higienizar frequentemente caixas d’água, utilizando água sanitária ou cloro sempre que possível.

Alerta doenças e sintomas 

Foto: Divulgação

Caso ocorra febre associado a dor no corpo e dor de cabeça, é prudente buscar uma consulta médica para avaliação, que pode ser em uma unidade de saúde ou unidade de pronto atendimento dependendo da gravidade. Caso os sintomas sejam intensos, a pele e os brancos dos olhos fiquem amarelados ou ocorram sangramentos espontâneos, a avaliação deve ser imediata.

Hepatite A: É uma infecção contagiosa do fígado. Pode ser transmitida por meio da água e também de alimentos contaminados. A doença, na maioria dos casos, tem cura, porém pode haver complicações, como insuficiência hepática aguda com necessidade de transplante de fígado, se não for tratada.

Há vacina gratuita para crianças no calendário do Ministério da Saúde e para portadores de doenças imunossupressoras ou outras doenças do fígado. Para quem não está nos grupos do Ministério, tem vacina particular.

Leptospirose: Doença causada por uma bactéria presente na urina de rato. Pode ser transmitida pela água de enchente. Afeta os rins e o fígado e pode causar problemas respiratórios e meningite. Em alguns casos, pode levar à morte.

Diarreia: A infecção intestinal é causada pela ingestão de água e alimentos contaminados. Pode ser provocada por vírus, bactéria ou protozoários. Dura até 14 dias. Nos casos mais agudos, é importante procurar um médico.

Toxoplasmose: É uma doença infecciosa causada por um parasita que pode ser transmitido por meio da ingestão de alimentos contaminados, consumo de leite não pasteurizado, transfusão sanguínea ou da gestante para o bebê. Em épocas de chuva intensa, pode aumentar o número de casos porque acaba facilitando a propagação do parasita e a contaminação de alimentos e da água. Entre os sintomas estão ínguas pelo corpo, febre, dor muscular, manchas vermelhas, dificuldade para enxergar e dor de cabeça.

Foto: Divulgação

Outras dicas

– Para evitar as enchentes: não jogue lixos e entulhos em vias públicas e córregos;

– Durante as enchentes, caso o nível de água continue subindo vá com sua família para um lugar seguro;

– Evite locais aglomerados e com pouca circulação de ar, caso não consiga, utilize máscara e higienize mãos e objetos com álcool em gel;

– Fortaleça o sistema imune comendo frutas cítricas, como laranja, limão e chás rico em vitamina C, como o de abacaxi;

– Em caso de febre, vômitos, diarreias, dores de cabeça ou no corpo, procure imediatamente a unidade de saúde mais próxima;

– Evite o contato com água de enchente. Caso seja necessário, é importante utilizar roupas e botas impermeáveis.

Larissa Agnez

Redação Folha Vitória

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: