Como deixar o ambiente livre do novo coronavírus?

Especialistas orientam como higienizar superfícies de maneira eficaz para eliminar vírus e bactérias.

Com sintomas parecidos com os da gripe comum, como tosse, febre e falta de ar, a covid-19 já contaminou mais de 463 pessoas no Espírito Santo e matou outras 17 até o momento. Como ainda não existe vacina ou medicamento para combater o vírus, o hábito de lavar as mãos com água e sabão e utilizar o álcool em gel 70%, tem sido adotado como medida para evitar o contágio da doença.

O vírus é transmitido via aérea e pelo contato, por isso, para conter o avanço, infectologistas alertam para que se evitem locais fechados e com grande aglomeração de pessoas. Embora essa recomendação não possa ser seguida por todos, há outras soluções que podem afastar o risco do contágio.

A higienização dos ambientes é uma delas. Locais grandes e com fluxo intenso de movimentação, como os condomínios, casas, hospitais e comércios precisam reforçar a higienização das áreas compartilhadas e de uso comum.

Quanto tempo o vírus o novo coronavírus sobrevive nas superfícies? 

De acordo com informações divulgadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS), estudos revelam que o novo coronavírus pode sobreviver em superfícies de metal, vidro e plástico por até nove dias, a menos que sejam desinfetados adequadamente. Em lugares com baixa temperatura, esse período pode chegar a 28 dias.

Um estudo do Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos (NIH) descobriu que o Sars-Cov-2 sobrevive por mais tempo quando depositado sobre papelão (até 24 horas) e de dois a três dias sobre superfícies de plástico e aço inoxidável.

A boa notícia, é que a pesquisa também aponta que o novo coronavírus pode ser neutralizado em um minuto ao se desinfectar superfícies com álcool (70%), água oxigenada 0,5% ou água sanitária contendo 0,1% de hipoclorito de sódio.

Como deve ser feita a higienização? 

Foto: DNA

A receita é simples: Em cada litro de água, despeje uma colher de água sanitária e limpe os chãos, varandas, janelas e demais superfícies. Também pode-se usar desinfetante com cheiro. Além disso, utilize o álcool 70%, líquido ou em gel. Esses são os produtos necessários para deixar a casa livre do novo coronavírus.

A farmacêutica da empresa DNA Fórmulas do Brasil, Renata Andrade, ressalta que as pesquisas comprovam que o álcool em gel é capaz de matar o Coronavírus na hora, mas não é qualquer um que deve ser usado nessa pandemia. “Para casa podemos utilizar a solução de álcool 70% na forma líquida. Já o álcool em gel, deve ser utilizado nas mãos”, destacou.

De acordo com a especialista, o álcool comum (vendido em supermercados), não é recomendando porque tem uma concentração de 46% da substância. “Nesta porcentagem ele não é eficaz, porque sua concentração de álcool é baixa para fazer a assepsia”, explicou Renata Andrade.

A farmacêutica especializada em biotecnologia da DNA Fórmulas do Brasil, Juliana Baracho, explica em detalhes a diferença entre o álcool na forma líquida e em gel, confira no vídeo:

De acordo com as recomendações de cuidados e limpeza: sapatos devem ser deixados na porta de casa. Chaves, celulares e maçanetas devem ser higienizadas com álcool 70% na forma líquida. As roupas precisam ser colocadas imediatamente para lavar e banheiros e cozinhas precisam de atenção especial, porque são ambientes que comumente concentram um maior número de vírus e bactérias.

Higienização das mãos

Foto: arquivo pessoal
Renata Lugão, gastroenterologista.

Além de evitar o novo coronavírus, lavar as mãos ajuda a proteger contra uma em cada três doenças que causam diarreias, e uma em cada cinco infecções respiratórias, como ressalta os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC).

A prática pode evitar a remoção de certos tipos de germes, como Cryptosporidium, que são protozoários que causam diarreia aquosa, o norovírus, que causam gastroenterite aguda, e a Clostridium difficile, uma bactéria que causa diarreia, de acordo com o CDC.

A gastroenterologista Renata Lugão, explica que independente da existência de uma pandemia devemos lavar sempre bem as mãos, quando chegamos em casa, quando usamos o banheiro e sempre antes de comer e manipular os alimentos. “São cuidados básicos de higiene, que ajudam a prevenir diversas doenças graves”.

O CDC ainda ressalta que a lavagem das mãos em comunidades:

• Reduz o número de pessoas que ficam doentes com diarreia de 23% a 40%;

• Reduz a doença diarreica em pessoas com sistema imunológico enfraquecido em 58%.

• Reduz as doenças respiratórias, como resfriados, na população em geral de 16% a 21%.

• Reduz as faltas escolares de crianças e adolescentes entre 29% e 57% por doença gastrointestinal.

Higienização de alimentos 

De acordo com Lugão, do ponto de vista gástrico, as principais doenças por causa da falta de higiene são as gastroenterocolites, sejam elas virais ou bacterianas, que podem estar relacionadas a má higienização de frutas e verduras. “Esses alimentos precisam ser higienizados quando chegam em casa, com soluções a base de hipoclorito, porque assim é possível matar tanto os vírus quanto as bactérias”, destacou.

Alerta aos ambientes fechados 

Foto: Reprodução/ TJES

Um ambiente que fica muito tempo fechado e sem ventilação se torna criadouro de sujeira e de radicais livres que são prejudiciais à saúde. Por isso, é fundamental realizar uma boa limpeza antes de se instalar no local. “É importante abrir janelas e portas para que o ambiente fique arejado. A ventilação eliminara todo o cheiro de mofo e de ‘casa fechada’, comum em ambientes há muito tempo sem circulação de ar. Verifique também as roupas de cama, mesa e banho que precisam ser lavadas e trocadas. Os colchões, inclusive, devem ser colocados no sol se necessário, pois esta exposição ajuda na eliminação de ácaros e bactérias alojados na espuma”, alerta o infectologista e consultor de limpeza, Artur Timerman.

A dona de casa Reuchlinda Correa, 43 anos, explica que sempre esteve alerta com a higienização da casa e, atualmente, têm duplicado a atenção com a limpeza. “Como estou ficando dentro de casa, consigo limpar e organizar os cômodos com mais frequência. Lavo os chinelos, uso água sanitária no chão e higienizador de superfície a base de álcool nos móveis. Meu marido diz que preciso até me tranquilizar, porque passo o dia todo limpando”, disse Reuchlinda.

Larissa Agnez

Redação Folha Vitória

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *