Desigualdade é obstáculo para recuperação econômica na América Latina

Segundo a Cepal, taxa de extrema pobreza teria atingido 12,5%

 

Desigualdade, pobreza, pouco investimento e baixa produção. Esses são os principais problemas apontados para a recuperação econômica dos países da América Latina e Caribe.

É o que mostra um estudo apresentado  pela Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) sobre o impacto econômico e social da pandemia da covid-19 na região.

A secretária executiva da Cepal, Alicia Bárcena, alerta que o crescimento econômico nesses países não ocorre de maneira sustentável e o acesso às vacinas é desigual em comparação a nações desenvolvidas.

No último ano, a taxa de extrema pobreza teria atingido 12,5% e a de pobreza 33,7%. Enquanto a insegurança alimentar moderada ou grave atingiu 40,4% da população.

O estudo projeta que ao final de 2022, 19 dos 33 países não terão recuperado o PIB de 2019.

Traz ainda como exemplos o Brasil e o México, que, segundo a comissão, precisam reativar investimentos com mudanças estruturais. Carlos Mussi diretor do escritório da Cepal no Brasil, explica que além de investimentos privados, é preciso investimento púbico.

O relatório aponta também uma queda na participação das mulheres no mercado de trabalho nessa região, e destaca que apesar de uma recuperação do emprego em 2021, são os homens que estão conquistando a maioria desses postos.

Carlos Mussi explica que os dados de hoje são os mesmos de 2003, uma estagnação de 18 anos.

Ainda de acordo com a Cepal, 1,2 milhão de pessoas na América Latina e Caribe morreram em decorrência da Covid-19. O Brasil representa mais de 50% desse número. Segundo o Ministério da Saúde, nesta quinta-feira, as mortes pela doença passaram de 530 mil.

Edição: Jéssica Gonçalves e Luiz Claudio Ferreira

Por Kariane Costa, da Rádio Nacional – Brasília

Fonte: Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Error