Miss Mato Grosso é perseguida, abusada sexualmente e critica tratamento na delegacia da mulher

“Não me senti protegida pelas pessoas que são responsaveis pela segurança da nossa cidade pais, é um grito que vem dentro de mim por justiça e desespero, eu me senti extremamente humilhada e decepcionada com o sitema”, disse

A Miss Mato Grosso, Ingrid Santin, relatou em sua rede social o desespero que viveu no final de semana ao ser perseguida e abusada sexualmente por um homem de moto e desabafou sobre a humilhação que passou ao tentar fazer um boletim de ocorrência na delegacia da mulher.

Ingrid contou que no final de semana, estava a caminho da casa da sua irmã pilotando sua moto, quando percebeu que estava sendo seguida por um motoqueiro. Com medo e pensando em se proteger, Ingrid conta que tentou cortar uma caminhonete que estava a sua frente para sair da visão do outro motoqueiro, mas não conseguiu alcançar a velocidade do automóvel.

Sendo assim, a miss conta que o motoqueiro se aproximou e ficou ao lado dela na pista, colocando a mão em sua pernas e apalpou suas partes intimas. Ela conta que tudo foi questão de segundos. Ingrid relatou também que ao tentar sair de perto do motoqueiro, ela quase se desequilibrou e caiu, mas logo conseguiu acelerar ainda mais a moto e buzinando por diversas vezes para chamar a atenção de quem estivesse passando na rua, fez com o motoqueiro saísse da sua rota, fugindo por outro local.

Depoimento na delegacia

Em desabafo, a Miss relatou que o sistema não é efetivo e que se sentiu extremamente humilhada na Delegacia da Mulher. A Miss disse também entender o por que de muitas mulheres não darem queixa.

Ingrid relatou que ao ser atendida, uma senhora perguntou se ela sabia informar a placa da moto e como era o suspeito. Ingrid revelou que não sabia a placa, mas que poderia dizer como era a moto e as características do suspeito, porém como resposta ela foi informada de que não poderia fazer o boletim de ocorrência, pois a vítima não tinha como identificar a placa da moto.

Ingrid disse que sentiu um descaso e que ainda teve que insistir para fazer a denùnica.

“Não me senti protegida pelas pessoas que são responsaveis pela segurança da nossa cidade pais, é um grito que vem dentro de mim por justiça e desespero, eu me senti extremamente humilhada e decepcionada com o sitema”, disse.

Segundo a reportagem do G1 Mato Grosso, a Polícia Militar informou que o suspeito foi localizado em um residencial e preso por importunação sexual. Ele tem outros três boletins de ocorrência, pelos crimes de ato obsceno e importunação sexual, entre 2015 e 2020. Veja o relato completo da Miss:

Redação Folha Vitória

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *